Notícias

  • Deputados pedem ao MP que apure irregularidades na aplicação das provas da Atividade Paraná

    Deputados pedem ao MP que apure irregularidades na aplicação das provas da Atividade Paraná

    A bancada do PT na Assembleia Legislativa juntamente com os demais deputados de oposição apresentaram na tarde desta quarta-feira (9) representação ao Ministério Público Estadual (MP-PR) solicitando que sejam apuradas, com urgência, as denúncias de irregularidades relacionadas à aplicação da Atividade Paraná Diagnóstica, que substitui a Prova Paraná, avaliação realizada pela Secretaria da Educação (Seed) para medir a qualidade do ensino nas escolas públicas durante a pandemia do coronavírus.

    Entre os problemas apontados pelos deputados está a dificuldade dos estudantes para acessar o site da prova, que ficou indisponível durante toda a manhã em razão da grande quantidade de acessos simultâneos, fato que impediu muitos alunos de realizar o teste; e o mais grave, as provas aplicadas no Paraná são idênticas aos exames aplicados em março em Minas Gerais, de forma que os gabaritos estavam disponíveis na internet desde o início do teste. Com isso, os gabaritos foram amplamente compartilhados nas redes sociais e estavam disponíveis aos estudantes durante toda a realização da avaliação.

    Os parlamentares solicitaram também, no Pedido de Providências, que o MP-PR apure as circunstâncias da contratação da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) – CAEd (Centro de Políticas Públicas e Avaliação), pelo valor de R$ 13,4 milhões com dispensa de licitação, para aplicar a prova aos estudantes paranaenses pela Seed.

    Líder da bancada, o deputado Tadeu Veneri disse que vai cobrar da Secretaria de Educação respostas rápidas às denúncias de vazamento do gabarito de respostas. O parlamentar vai apresentar um pedido de informações junto à Seed para esclarecer o episódio.

    “Nós precisamos de respostas sobre esse ocorrido. Na próxima sessão plenária da Assembleia Legislativa vamos requerer explicações sobre o contrato da Secretaria de Estado da Educação com a Universidade Federal de Juiz de Fora para prestação do serviço que foi contratado sem licitação. O valor do contrato é de R$ 13, 4 milhões, segundo o Portal da Transparência. O governo do Estado precisa dar uma resposta à população paranaense”.

    O deputado Professor Lemos afirmou que a prova Paraná não passou de um “grande fiasco” promovido pelo Secretário de Educação.

    “A Prova Paraná é, na verdade, um grande fiasco promovido pelo Secretário de Educação do Estado na rede pública de ensino, um verdadeiro absurdo, um desrespeito com a comunidade escolar. Desrespeito com os estudantes, seus familiares, com os professores e funcionários de escolas, com a sociedade paranaense. Estamos entrando com uma representação no Ministério Público solicitando providências urgentes para responsabilizar quem causou este grande fiasco, contra o interesse público, com dinheiro público sendo gasto indevidamente”, cobrou o líder da oposição na Assembleia Legislativa.

    Assinaram o Pedido de Providências os deputados Arilson Chiorato (PT), Goura (PDT), Luciana Rafagnin (PT), Professor Lemos (PT), Requião Filho (MDB) e Tadeu Veneri (PT).

    Assessorias das Lideranças do PT e da Oposição