Notícias

  • Embora prioritários, trabalhadores do SUAS não estão sendo vacinados

    Embora prioritários, trabalhadores do SUAS não estão sendo vacinados

    Trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) trabalham no atendimento da linha de frente da população e estão entre as categorias prioritárias para imunização na pandemia listadas no plano estadual de vacinação. Mas não têm sido contemplados por muitos municípios. Esse foi o tema da reunião online da qual o deputado Tadeu Veneri participou ontem, quarta-feira, com representantes do Conselho Regional de Serviço Social (CRESS-PR).

    “O trabalho do SUAS é essencial para promover a dignidade e trazer um alento a milhares de famílias que passam por grandes dificuldades durante a pandemia. As condições de trabalho têm sido difíceis e a vacina pode amenizar a preocupação de profissionais que são tão essenciais nesse momento”, disse Veneri. Ele vai levar o debate da categoria aos demais deputados da Assembleia Legislativa.

    O Conselho Regional de Serviço Social do Paraná (CRESS-PR), desde o início da vacinação, tem intensificado esforços para que os municípios paranaenses vacinem os (as) trabalhadores (as) do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), o que inclui assistentes sociais e profissionais de outras áreas em Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), unidades e casas de acolhimento e outras organizações. A estimativa é que haja 30 mil trabalhadores do SUAS no Paraná.

    Apenas em Irati e nos nove municípios vizinhos na região central, pelo menos 25% dos profissionais já foram contaminados. Os trabalhadores (as) do SUAS na região paralisaram suas atividades e realizaram manifestações pedindo a priorização da vacinação para esse público.

    Temos hoje apenas no Paraná mais de 1,5 milhão de pessoas com registro no CadÚnico e mais de 420 mil no Bolsa Família, além de populações em situação de vulnerabilidade como indígenas, quilombolas, ribeirinhos, entre outros. Os (as) profissionais da Política de Assistência Social ajudam a proteger essas populações, a colocar em prática políticas públicas essenciais e precisa fazer com que os serviços funcionem de maneira presencial, afirmou Marcia Lopes, conselheira do CRESS-PR.

    O CRESS-PR já enviou ofícios para o Governo do Estado do Paraná e está buscando uma reunião com a Secretaria Estadual de Saúde para tratar do assunto. Em paralelo, também está se reunindo com representantes do Ministério Público do Paraná. No dia 14 de maio, o procurador e coordenador Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção aos Direitos Humanos, Olympio de Sá Sotto Maior Neto, enviou um ofício direcionado ao Governo solicitando informações a respeito da vacinação para esse grupo prioritário. Uma nova reunião com a Promotoria de Saúde Pública está sendo agendada.


    Assessoria de Comunicação do Mandato e do CRESS-PR