Notícias

  • Veneri participa de esforço de deputados para mediar diálogo com prefeitos para compra de vacinas

    Veneri participa de esforço de deputados para mediar diálogo com prefeitos para compra de vacinas

    O deputado estadual Tadeu Veneri participou nesta segunda-feira, 22, de reunião virtual com o secretário executivo do Consórcio Nordeste, Carlos Gabas, para articular junto ao Consórcio Paraná Saúde a compra de doses da vacina Sputnik V para o Paraná, diretamente pelo Fundo de Investimento Direto da Rússia (RDIF). Veneri é um dos deputados estaduais que estão atuando para que o processo de compra de vacinas para combate ao coronavírus seja agilizado.

    “A abertura desse diálogo pelas bancadas é uma iniciativa importante para pressionar os governos estaduais e municipais a acelerarem o processo de compra das vacinas, na medida em que o governo federal não responde às necessidades de uma política de proteção à nossa população. Estamos tentando mediar esse esforço de muitos prefeitos e autoridades de saúde que buscam se mobilizar para que o processo de imunização ocorra independente das vontades do presidente Bolsonaro e seus aliados que, claramente, boicotam as tentativas para que possamos enfrentar essa crise sanitária e humanitária que estamos vivendo no Brasil”, disse Veneri.

    Gabas informou aos deputados que o Fundo Russo teria disponibilidade de fornecer ao Brasil 13 milhões de doses da vacina Sputnik V, além das 37 milhões de doses adquiridas por meio do consórcio de governadores do Nordeste. “Nós entendemos que vacinação é uma estratégia de saúde pública que precisa ser regional, pelo menos dentro do país, pois não adianta o Nordeste vacinar sua população e outros estados ficarem atrasados no processo”, afirmou.

    Na reunião, Veneri anunciou que está organizando audiência pública para debater a reabertura da fábrica de Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR), em Araucária, na região metropolitana de Curitiba. Fechada no ano passado, sob a alegação de que dava prejuízo, a Fafen que poderá suprir a falta de oxigênio que já ameaça os hospitais do Paraná.

    Na semana passada, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Paraná (MP-PR) enviaram ofício conjunto à Petrobras, governo do Paraná, Ministério da Saúde e Federação Única dos Petroleiros (FUP) solicitando a reativação da fábrica. De acordo com o MPF e o MP-PR, a Fafen-PR tem capacidade de produzir de 350 mil a 750 mil metros cúbicos de oxigênio hospitalar por dia. Como comparação, só o consumo nas UPAs de Curitiba saltou nos últimos dias de 420 metros cúbicos para 3,5 mil metros cúbicos por dia. “Nós não podemos esperar para tomar uma atitude quando as pessoas começarem a morrer por falta de oxigênio como já ocorreu em outros estados’, justificou Veneri.