Notícias

  • Modelo de escola militarizada é ampliada no Paraná

    A elevação da qualidade de educação do ensino público exige mais investimentos nas escolas e nos profissionais da educação e não será a migração para o modelo militarizado que irá atingir esse objetivo. Assim, o deputado estadual Tadeu Veneri resumiu sua posição contrária ao projeto 001/2021, aprovado nesta quinta-feira pela bancada governista por 45 votos a seis. Todas as emendas da bancada de Oposição que buscavam garantir critérios para a mudança com base na legislação federal foram derrotadas pelos aliados do governo.

    O texto aprovado nesta quinta-feira piora a lei original, 20338/2020, aprovada no final do ano, frisou Veneri. Exigências como alta taxa de evasão escolar, necessidade de o estabelecimento estar em áreas socialmente vulneráveis assim como impedir a conversão para o novo modelo das escolas que oferecem ensino noturno foram dispensadas pela mudança na lei. “Desta forma, qualquer escola pode ser militarizada. Até mesmo o Colégio Estadual do Paraná”, exemplificou Veneri.

    O programa inicial do governo previa a mudança de modelo em cerca de duzentas escolas do Estado. Pelo novo texto, com a quebra dos critérios, a conversão pode alcançar muito mais estabelecimentos de ensino.

    Outro ponto levantado por Veneri foi que o texto revisado do governo não prevê quais serão as providências se as escolas que adotarem o novo modelo não atingirem as metas previstas. “Esta é uma omissão inadmissível. Como ficarão essas escolas no futuro?”, questionou Veneri.

    Clique para conferir o placar de votação