Notícias

  • Veneri cobra de Curitiba e do governo do Paraná uma linha de ação definida para combate à pandemia

    Veneri cobra de Curitiba e do governo do Paraná uma linha de ação definida para combate à pandemia

    Após desdenhar a oferta de espaços para a instalação de hospitais de campanha, em Curitiba, o prefeito Rafael Greca (DEM), por meio de seus auxiliares, está admitindo que poderá recorrer a essa solução emergencial para frear o crescimento do número de pacientes contaminados pelo novo coronavírus. “A mudança de posição de Greca, que agora recuou também na decisão de flexibilização total das atividades, reflete a falta de uma política definida de combate à pandemia, que chega a uma situação limite em que o sistema de saúde entra em risco de colapso.

    O Hospital do Trabalhador, reservado para tratamento de casos graves de covid-19, está com quase 80% dos leitos ocupados, de acordo com levantamento feito pelo jornal El Pais.  Em Curitiba, os casos triplicaram nos últimos dias, saltando de 14 contaminações para 59 ao dia. A crítica foi feita pelo deputado Tadeu Veneri na sessão remota desta segunda-feira, 15, quando estendeu a cobrança ao governo do Paraná, que tem um dos menores níveis de isolamento do país, próximo a 35%. 

    Veneri lembra que, até agora, o governo não adotou nenhuma medida contra a superlotação nos ônibus do transporte coletivo na região metropolitana de Curitiba, onde os trabalhadores se expõem à contaminação diariamente. Veneri é autor de projeto que limita em 50% a lotação dos ônibus do transporte coletivo de passageiros em todo o Estado.

     “Nós não podemos admitir essa falta de cuidado com a população. Nós temos indicativos de que a pandemia está se agravando e as decisões do governo e da prefeitura de Curitiba geram insegurança. A omissão e as decisões contraditórias tornam o Estado vulnerável ao vírus, principalmente quando não se pode contar com o governo federal, que fez a opção pela política da morte ”, afirmou Veneri.