Notícias

  • “Se liga, governo”, diz Veneri ao criticar o mutirão para aprovação de alunos

    “Se liga, governo”, diz Veneri ao criticar o mutirão para aprovação de alunos

    O projeto “Se Liga –É Tempo de Aprender Mais” , implantado este ano pela Secretaria Estadual de Educação, está sendo questionado pelo deputado estadual Tadeu Veneri (PT) em pedido de informações apresentado nesta terça-feira, 29, na Assembleia Legislativa. O projeto está sendo criticado por especialistas em educação que veem na medida apenas um artifício para aumentar a posição do Paraná no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

    O Idebé um indicador da qualidade da Educação no país, conferida a partir da taxa de rendimento escolar (aprovação) e as médias de desempenho nos exames aplicados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que formula as políticas educacionais dos diferentes níveis de governo.Com execução prevista entre 26 deste mês a 18 de dezembro, o programa consiste em aulas extraordinárias para recuperação e reforço de conteúdos para estudantes em risco de reprovação por baixo rendimento ou desistência durante o ano letivo.

    Para educadores, o programa implica na aprovação forçada de estudantes que desistiram das aulas ou foram eliminados pela Secretaria de Educação que, este ano, cancelou a matrícula daqueles que somaram vinte e cinco dias de ausência. Uma decisão contrária à Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), cujo limite é de 50 dias de faltas não justificadas. Para “consertar” o erro, a Secretaria estaria fazendo esse “mutirão” para “resgate” de alunos.

    Na avaliação de educadores, a Secretaria de Educação irá aprovar alunos que não apresentam condições de avançar para o ano seguinte apenas para melhorar o desempenho no ranking do Ideb. O maior prejuízo será para os estudantes. “Um estudante que ficou fora da sala de aula durante sete oito meses, agora, vai voltar para ser aprovado em dois meses? É um prejuízo para esse estudante que não teve o conteúdo necessário e não completou seu processo de aprendizagem. Se liga, governo”, disse Veneri.

    No pedido de informações, solicitamos as seguintes respostas:

    1. A aprovação dos estudantes sem o devido processo pedagógico de apreensão do conteúdo poderá gerar distorções nos índices do IDEB?

    2. Os estabelecimentos de ensino possuem um planejamento para recuperação dos conteúdos durante todo o ano letivo? Se sim, por que desconsiderá-los ao final do ano?

    3. Quais as bases pedagógicas para a implantação deste programa?

    4. Há alguma relação deste programa com alguma Instituição Financeira?

    5. Se o governo do Paraná quer reduzir os índices de reprovação, por que durante o ano não implantou em toda a rede programas de reforço escolar no contra-turno das escolas?

    6. Que documentos oficiais embasam a política de tutoria que a SEED desenvolve hoje nas escolas?

    7. A SEED distribuiu algum documento de instituição privada para instrumentalizar a pratica de tutoria pedagógica?