Notícias

  • Audiência reúne trabalhadores para a defesa das empresas públicas ameaçadas de privatização

    Audiência reúne trabalhadores para a defesa das empresas públicas ameaçadas de privatização

    O projeto do governo federal de vender as principais empresas públicas brasileiras e suas consequências para a população é o tema da audiência pública que será realizada no próximo dia 17, no plenarinho da Assembleia Legislativa. Proposta pelo deputado Tadeu Veneri, com o apoio de diversos deputados, a audiência vai reunir as direções sindicais e trabalhadores das empresas alvo do projeto de privatização do governo Bolsonaro/Guedes , a Petrobrás e subsidiárias, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Correios.

    Para o deputado Tadeu Veneri, a venda das estatais faz parte da estratégia do atual governo de subordinar o país aos interesses financeiros internacionais. “O BB e a CEF são determinante para o crédito dos programas sociais. Quem investiu no país nos últimos anos foram os bancos públicos e as empresas públicas de modo geral.Assim como a Petrobras é fundamental para o desenvolvimento do país. A maior empresa brasileira e uma das maiores do mundo, que investiu tanto na exploração do Pré-Sal e agora iria começar a colher os frutos, está na lista de queima do patrimônio público, como alternativa para solucionar a crise”, observou.

    Veneri destacou ainda que a Repar, a Refinaria presidente Getúlio Vargas, em Araucária, responde por 7% do PIB industrial do Paraná e também está na lista das privatizações. “Nós temos que mobilizar a sociedade e esse é um dos objetivos da audiência que se constitui num importante espaço de debates e conscientização da população “, disse.

    “A audiência é fundamental para fazer o debate com a sociedade paranaense da importância das empresas estatais. A população precisa saber que o governo quer se abster de ter um controle de áreas estratégicas e soberanas para o país”, disse o presidente do Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina, Mário Alberto Dal Zot.

    A  Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) encerrou 2018 com um lucro líquido de R$ 161 milhões. Foi o segundo ano em que a estatal obteve resultado líquido positivo. Em 2017, os Correios reportaram lucro líquido de R$ 66 milhões. “Os Correios prestam um serviço inestimável aos brasileiros”, disse o deputado.

    A audiência terá a participação de diretores dos Sindicatos dos Bancários e Financiários, Sindicato dos Petroleiros – Paraná e Santa Catarina (Sindipetro), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Petroquímicas do Paraná (Sindiquímica), Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Comunicações Postais, Telegráficas e Similares do Paraná (Sintcom), Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentec), Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Estado do Paraná ( Fetec), Federação dos Bancários do Paraná. Também estarão no debate as seguintes entidades e instituições: Central Única dos Trabalhadores (CUT), Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf), União Geral dos Trabalhadores ( UGT), Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná (NCST), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB- Paraná), Ministério Público do Trabalho. Foram convidados ainda os deputados federais da bancada do PT, o ex-senador Roberto Requião, e os parlamentares que integram a Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Correios, a Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Bancos Públicos, a Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, entre outros.