Notícias

  • Representante dos petroleiros faz alerta sobre as consequências da venda da Repar

    Representante dos petroleiros faz alerta sobre as consequências da venda da Repar

    O presidente do Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro PR-SC), Mario Dal Zote, fez um alerta aos deputados estaduais durante o grande expediente da sessão desta segunda-feira, 4, sobre os prejuízos que o Paraná irá ter se o governo Temer levar adiante a proposta de venda da Refinaria Presidente Getúlio Vargas, em Araucária. A Repar responde por 7,7 mil empregos, dos quais 2,7 mil diretos e 5 mil indiretos e garante uma arrecadação média de R$ 3 bilhões ao ano para o Estado.

    No total, o Brasil tem treze refinarias. A Repar está entre as quatro refinarias que o governo Temer irá colocar à venda no país. As demais são as refinarias Abreu Lima, em Pernambuco, Landulpho Alves, na Bahia e Refinaria Alberto Pasqualin, no Rio Grande do Sul.

    A Repar tem capacidade para produzir 33 mil metros cúbicos de petróleo ao dia e produz 12% dos derivados do petróleo nacional. “Alguém acredita que se a Repar for vendida para uma empresa estrangeira, a refinaria irá continuar funcionando? Ou será que alguém acredita que uma empresa americana, por exemplo, irá comprar uma refinaria no Brasil e passará a refinar aqui quando tem suas plantas internacionais? Não irá acontecer. Se a Repar for vendida, será para ser fechada”, afirmou o deputado Tadeu Veneri.

    O presidente do Sindipetro reforçou o risco de fechamento ao afirmar que o monopólio do petróleo foi quebrado em 1997 e desde então nenhuma empresa estrangeira fez qualquer investimento em refinarias. Ele destacou que as refinarias terão venda conjunta com seis terminais aquaviários, seis terminais terrestres e 46 dutos. Zote também informou que aFafen-PR também está sendo vendida para uma empresa russa, num pacote fechado com a Unidade de Fertilizantes-III (Fafen-MS).

    Veneri destacou que o Brasil é o quinto maior mercado de derivados de petróleo e o oitavo maior parque de refino do mundo. Ele citou que os governos anteriores investiram R$ 5 bilhões somente nas obras de ampliação da Repar e que, agora, as quatro refinarias estão sendo oferecidas por R$ 10 bilhões.

    Em plenário, Veneri chamou a atenção do governo do Paraná e dos dirigentes das federações do comércio, indústria e outros setores sobre as consequências para a economia do Estado se a Petrobras vender a Repar. “Nós precisamos de uma ação efetiva para defender a Repar. O que está em jogo no Paraná é um patrimônio construído ao longo de quarenta anos”, afirmou.

    A política de preços dos derivados de petróleo adotada pelo governo Temer levou o Brasil a deixar suas refinarias ociosas e trocando a produção pela importação dos produtos.  A participação dos Estados Unidos na importação brasileira de gasolina passou a ser de 23,44 % em 2015 para 60,16% em 2018.