Notícias

  • Trabalhadores da educação reivindicam seus direitos na Alep

    Trabalhadores da educação  reivindicam seus direitos na Alep


    A primeira sessão plenária de 2018 na Assembleia Legislativo foi marcada por manifestações de professores e trabalhadores da educação. Aos gritos de “Fora, Beto Richa” e “Quadro Negro”, os educadores protestaram contra contra o secretário da Casa Civil, Valdir Rossoni, que esteve na Alep para ler a mensagem e o plano de governo do Executivo para este ano.

    Na leitura, Rossoni foi vaiado pelos trabalhadores ao dizer que a educação é “prioridade” do governo Richa, destacando que o governo reformou mil escolas e investiu fortemente, nos últimos anos, na qualificação dos professores e na melhoria da qualidade do ensino. A fala revoltou os servidores, que reagiram com vaias e gritos de ordem contra o governo tucano.
    Diante da reação dos servidores, o presidente da Alep, o tucano Ademar Traiano (PSDB), decidiu encerrar a sessão sem que o secretário terminasse de ler a mensagem do Executivo.

    “Todos os paranaenses sabem que a educação não é, nem de longe, a prioridade do governo Beto Richa. O Paraná tem um governo que massacrou de todas as formas possíveis os professores e trabalhadores da educação, que não se importa com a qualidade do ensino e com os estudantes”, comentou o deputado Tadeu Veneri (PT), líder da bancada de oposição.

    Veneri observou que professores e servidores do Executivo estão sem reposição salarial desde 2015 porque o governador prefere investir os recursos do Estado em obras eleitorais para garantir o sucesso do seu grupo nas eleições de outubro deste ano. “Na prática, desvia recursos da educação pública alegando que não pode gastar apenas com os trabalhadores da educação, mas deixa à população sem o ensino público de qualidade”, disse.